close

PARTIDO: Com expulsão de Frota, PT volta a ser maior bancada da Câmara

Partido tem 54 deputados, um a mais que o PSL. O parlamentar foi desligado da sigla após críticas ao governo e ao presidente Jair Bolsonaro

METRÓPOLES

13 de Agosto de 2019 às 14:46

PARTIDO: Com expulsão de Frota, PT volta a ser maior bancada da Câmara

FOTO: (Divulgação)

A expulsão do deputado Alexandre Frota mudou a configuração da Câmara dos Deputados. A saída do parlamentar do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, alterou a ordem das bancadas. Agora, o PT volta a ter o maior número de integrantes da Casa.

 

VEJA MAIS

 

 

Tanto o PT como o PSL tinham 54 deputados nas composições. A sigla do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem um deputado a mais. Na terceira posição aparece o PL, com 39 deputados.

 

Frota foi expulso do PSL nesta terça-feira (13/08/2019) após reunião do diretório do partido. De aliado, ele passou a crítico do governo e de Bolsonaro, ex-correligionário. Coube a uma comissão da executiva nacional do partido limar Frota. A decisão foi unânime: nove votos.

 

O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), explicou nesta terça-feira (13/08/2019) as razões que levaram a sigla a desfiliar o deputado Alexandre Frota (SP). Segundo ele, o “desalinhamento” do ex-ator ficou insustentável. “Não concordamos com o comportamento dele”, pontuou Bivar.

 

Antes mesmo de Frota se abster na votação do segundo turno da reforma da Previdência, o que acentuou a crise entre o PSL e o deputado, um procedimento interno já avaliava a conduta do parlamentar.

 

“Tem que, no mínimo, respeitar a hierarquia do partido e o sentimento de unicidade que todo partido procurar ter. Dentro do desalinhamento, que não foi nem uma nem duas vezes, decidimos pela desfiliação”, destacou Bivar.

 

O congressista optou por não se alinhar automaticamente a todas as decisões de Bolsonaro e, ao se dizer “decepcionado” com a atuação do correligionário nos primeiros meses, entrou na mira dos bolsonaristas mais ferrenhos no partido.

 

Ele criticou, por exemplo, a nomeação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, para a embaixada do Brasil em Washington.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS