close
logorovivo2

MOMENTO LÍTERO CULTURAL

POR SELMO VASCONCELLOS

21 de Agosto de 2018 às 09:31

MOMENTO LÍTERO CULTURAL

FOTO: (DIVULGACÃO)

01-Coluna dedicada a CLEUSA DIAS – IEPÊ, SP.

 

(Membro da Galeria dos Amigos do Momento Lítero Cultural)

 

02-DOM HÉLDER CÂMARA

 

Vamos exigir que os governantes tenham coragem de nos dizer a verdade sobre o Brasil. O Brasil suporta as verdades, não precisa de mentiras.

 

03-CECÍLIA FIDELLI – ITANHAÉM, SP - EM MEMÓRIA

BOM DIA!

Acordar e orar.
Me expor ao sol, sem pensar nos problemas.
Trocar olhares com o espelho.
Com os fios conectados na poesi@,
pegar logo cedo uma caneta
e arrancar as dores, pelas raízes.

 

04-GILBERTO MENDONÇA TELES – RIO DE JANEIRO, RJ.

CHÁ DAS CINCO


para Jorge Amado



Chá de poejo para o teu desejo
chá de alfavaca já que a carne é fraca
chá de poaia e rabo de saia
chá de erva-cidreira se ela for solteira
chá de beldroega se ela foge ou nega
chá de panela para as coisas dela
chá de alecrim se ela for ruim
chá de losna se ela late ou rosna
chá de abacate se ela rosna ou late
chá de sabugueiro para ser ligeiro
chá funcho quando houver caruncho
chá de trepadeira para a noite inteira
chá de boldo se ela pedir soldo
chá de confrei se ela for de lei
chá de macela se não for donzela
chá de alho para um ato falho
chá de bico quando houve fuxico
chá de sumiço quando houver enguiço
chá de estrada se ela for casada
chá de marmelo quando houver duelo
chá de douradinha se ela for gordinha
chá de fedegoso pra mijar gostoso
chá de cadeira para a vez primeira
chá de jalapa quando for no tapa
chá de catuaba quando não se acaba
chá de jurema se exigir poema
chá de hortelã e até amanhã
chá de erva-doce e acabou-se

(pelo sim pelo não
chá de barbatimão)

 

05-CARMÊNIO BARROSO – PORTO VELHO, RO.

Sextilhas II

 

Falava de poesia

Que tem que ter harmonia

E até metrificação;

De tudo que a vida ensina,

Com um pouquinho de rima,

Direta do coração!

 

E o poeta se apresenta,

Com toda sua vestimenta

-O s’expressar de su’alma!

Com palavras de ternura, 

A traduzir com candura

Que traz o riso e a calma!

 

E quando chega a saudade

Dos louros da mocidade

Que toda pessoa tem;

O poeta se entristece

E a inspiração lhe aquece

Com versos, como ninguém!

 

06-REGINA MADEIRA GÔDA – MIGUEL PEREIRA, RJ.

GIRASSOL
 
Alegria aparece como lindo girassol.
O seu tom amarelo recebeu do sol.
Vem surgindo no vaso para o nosso olhar.
O céu rivalizando com o seu arrebol.
Misturando as cores num belo lençol.
São as bênção de Deus a anunciar.


Belas mãos que plantaram trazendo à vida.
A terra em beleza responde florida.
Esperando os dias para acarinhar.
A alegria é sorriso, paz muito sentida.
Pois recebem de Deus amor e guarida.
Chamando a primavera para acordar.


Girassol tão menina, é menina-flor.
Namorando o sol faiscando em cor.
Tanta luz e beleza nesse seu raiar.
Sua doce aparência transmite calor.
Desde o nascer até o sol se pôr.
Captando sua luz para se iluminar.


Girassol com seu par, troca de energia.
Almas simples a cantar uma doce extasia.
Quem estava dormindo uma luz acordar.
Apagando a tristeza e trazendo alegria.
Versos soltos no ar compõem nova poesia.
Alegrando ao poeta nesse seu versejar.
29/11/2014

 

07-ANETH SANTOS – SOROCABA. SP.

De (pressão)

 

Eu bem sei que aqui fora inda é

inverno

mas nas entranhas eu quero

Primavera.

Quero vibrantes cores no meu muro

Eu quero a casa decorada pra

quimera

 

Infelizmente faltam calhas no

entorno

E também sei que inda não é

tempo de flores

Porque dentro de mim´alma,

tão deserta

a nostalgia surge tão concreta

 

E sendo assim,como não sei que

tempo resta

Como aprendi que essa vida é só

um "trote"

eu me ajusto,redecoro e

me reinvento

Pra nessa vida de pressão,tornar-

me forte.

 

08-LUCIENE FREITAS – RECIFE, PE.
Eco

Granizos de olhos ameaçadores
Tempestade de roucas vozes.

Vagos vagões
Trilhos destrilhados
Estação vazia
Trem descarrilhado
Solitária sombra
Machucada
A espera do que não vem.

O eco distante
Viaja fronteiras
Para ferir, sonoramente, os tímpanos.

 

09-GLENDA MAIER – RIO DE JANEIRO, RJ.

PRECE

Ergue-me em teus braços como um anjo louco
Corre em minhas veias qual tigre feroz
Encanta-me em teus olhos feito serpente mágica
Acaricia meu corpo com teu sopro forte...
e dança.


Dança em meus nervos numa sinfonia plena
Arrebata em teu sorriso minha alma e sê
Por um momento apenas a fantasia viva
Vem! Transforma tudo, qual delírio, em luz...
e brilha.

Brilha em minha vida qual um sol dos pólos
Derretendo neves que cascateiam em risos
De um gargalhar profano cria asas leves e
aterriza em mim...


Que te espero viva qual um lençol d’água
Num leito de nuvens com debruns de fogo
A chamar teu nome... pronunciar teu nome...
sussurros... amor!

 

10-JEAN-PAUL MESTAS – PARIS, FRANÇA.

PROPHÉTIE

Il fera froid dans ce pays
dont les palmes sont tristes
elles mangues amères.

Un jour ses plages s’enfuiront,
ses refuges se fermeront
sous un ciel devenu aphone.

Ne l’oublie pas quand tu iras
au-devant d’une autre lumière
enfin paisible, enfin comblée
par d’indiscutables victoires.


PROFECIA

Estará frio nesse país
em que as palmeiras são tristes
e as mangas amargas.

Um dia as suas praias fugirão
os seus refúgios fechar-se-ão
sob um céu tornado áfono.

Não o esqueças quando fores
ao encontro duma outra luz
afinal pacífica, afinal cheia
de indiscutíveis vitórias.

 

Tradução: Neusa Zanirato, São Paulo, SP.

 

11-AGUEDA MAGALHÃES -  JOÃO PESSOA, PB.

Procura

 

Procuro o silêncio

nos tímidos borrões da

aurora

quando o sol

ainda escondido

sufoca seu grito de luz.

 

Procuro o silêncio

na chuva fininha,

lágrimas transparentes,

nas vidraças da janela.

 

Procuro o silêncio

na luz branca da lua,

fuligem de prata,

na superfície das águas.

 

Procuro o silêncio

nas páginas brancas

inférteis

que não geraram versos.

No gesto mudo de mãos

que se enlaçam.

 

Em meio a tanta procura,

a descoberta:

sou náufraga ...

e no manso azul dos teus

olhos

encontro

pouso

descanso

silêncio.

 

12-IVY MENON – MARINGÁ, PR.

Erosões

ontem amanheceu chuva
o sol nem se meteu a besta
em mostrar a cara
e se encharcar de tanta lama

nem mesmo o sabiá abriu o bico
pra se alvoroçar
não arriscou assovio
que dirá um canto

ontem amanheceu água
e a terra se abriu em sulcos
e erosões formaram filas
ilhas de dor na estrada de terra e pedra

ontem a chuva chorou
escorreu pela máscara do meu rosto
que desgosto, que nada!
chorou alegria
que gente e poesia se derramam por coisa à toa

 

13-ASSMA GABRIELA

MINHA INFÂNCIA

 

A minha infância,  

ingênua, terna, feliz,  

cheia de sonhos infantis,   

carrego na lembrança.      

 

Quanta vida,   

brincadeiras, colegas,  

tudo que ficou para trás,   

carrego na lembrança.    

 

14-PEDRO ALBINO – PORTO VELHO, RO

Globalização x Guerra

 

Nesta tal revolução,

Era da globalização,

O campo virou cidade,

A cidade virou guerra;

A guerra é a solução?

 

15-SELMO VASCONCELLOS – PORTO VELHO, RO

 

Na floresta

a flor

resta

MAIS COLUNAS

Selmo Vasconcellos

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS