close
logorovivo2

Justiça nega liminar e licitação para obras de esgoto da capital seguiu normalmente nesta segunda-feira

Justiça nega liminar e licitação para obras de esgoto da capital seguiu normalmente nesta segunda-feira

DA REDAÇÃO

19 de Janeiro de 2009 às 14:36

Justiça nega liminar e licitação para obras de esgoto da capital seguiu normalmente nesta segunda-feira

FOTO: (Divulgação)

O Sindicato da Indústria da Construção Civi l- Sinduscom e o Mobiliário do Município de Porto Velho, até que tentaram barrar na justiça o processo de licitação que vai definir a empresa responsável pela execução das obras de saneamento básico na capital, mas não conseguiram. A obra faz parte do pacote do Plano de Aceleramento do Crescimento - PAC, do Governo Federal com uma contrapartida do Governo do Estado de Rondônia.
Na semana passada o Sinduscom entrou na justiça com pedido de liminar contra a Comissão Permanente de Licitação do Governo do Estado-CPL/RO, para suspender a sessão de pré-qualificação e a habilitação do Edital de Concorrência Pública, prevista para às 11 horas desta segunda-feira (19), mas o pedido foi indeferido pela justiça, no sábado (17).
O Sinduscom alegou a inexistência do projeto básico, e que segundo o sindicato é um instrumento necessário e obrigatório para a exploração de serviços públicos, e que só deve ser realizado por meio de concessão ou permissão, principalmente para quem fará a execução de obras e serviços de sistema de coleta, tratamento, disposição final de esgoto sanitário e operação de unidades de tratamento, a serem executados em Porto Velho.
O juiz Alexandre Miguel, da 1ª Vara da Fazenda Pública, entendeu que o edital era apenas de pré-qualificação para avaliar a capacitação técnico-financeira das empresas pretendentes e que não haveria a necessidade da apresentação do projeto básico, que se faz obrigatório nas fases subseqüentes. O magistrado declarou ainda, ao indeferir a liminar, que o que se busca é analisar a qualificação técnica das empresas concorrentes, que já é uma suma do objeto da obra.
Com o pedido de liminar indeferido, o processo de licitação marcado para esta segunda-feira ocorreu normalmente no horário determinado, na Superintendência Estadual de Compras e Licitação - Supel. De acordo com o secretário Adjunto de Planejamento - Seplan, Luciano dos Santos Guimarães, “o Governo do Estado está sendo criterioso para esse processo seletivo de licitação, por se tratar de uma obra muito importante para a população da capital”.
VEJA A ÍNTEGRA DA DECISÃO
Não Concedida a Medida Liminar (17/01/2009) MANDADO DE SEGURANÇA N. 001.2009.001647-4 IMPTE: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DO MOBILIÁRIO DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO IMDO: PRESIDENTE DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DE OBRAS - CPLO Vistos etc.
Trata-se de mandado de segurança objetivando suspender a sessão de pré-qualificação e habilitação do Edital de Concorrência Pública n. 042/08/CPLO/SUPEL/RO, previsto para o dia 19 de janeiro próximo, às 11 horas, referente a 'execução de obras e serviços de sistema de coleta, tratamento, disposição final de esgoto sanitário e operação de unidades de tratamento, a serem executados no município de Porto Velho'. Alega-se, em suma: a) ilegalidade pela inexistência de projeto básico, instrumento necessário e obrigatório, ex-vi legis; b) burla ao procedimento de outorga para exploração de serviços públicos -- que deve ser feito por meio de concessão ou permissão -- já que se previu não apenas a construção das obras, mas também a execução de serviços públicos de saneamento; c) exigência que frustra a competição. Conclusos os autos, o Estado apresentou requerimento, com juntada de documentos, para se contrapor aos argumentos da impetração. Decido o pedido de liminar. A pretensão exposta neste Mandado de Segurança é suspender a sessão de pré-qualificação e habilitação do Edital de Concorrência Pública n. 042/08/CPLO/SUPEL/RO. Trata-se, pois, de edital de pré-qualificação e não edital de obra, propriamente dito. A Lei de Licitação - Lei 8.666/93 --, em seu art. 114, prevê a possibilidade de uma fase de pré-qualificação, para as licitações de maior complexidade. Adilson Abreu Dalari doutrina que "em contratos de grande vulto, de alta complexidade técnica ou envolvendo financiamentos (especialmente internacionais), admite-se uma pré-qualificação. Ou seja, o procedimento administrativo licitatório pode ser desdobrado, para que, num primeiro momento, sejam escolhidos alguns (short list) possíveis futuros proponentes à realização de algo cujo contrato é posto em disputa num segundo momento, exatamente e apenas entre os proponentes pré-qualificados" (in Aspectos jurídicos da licitação, Ed. Saraiva, 6ª ed., 2003, p. 131). Não se confunde a fase de pré-qualificação com a habilitação preliminar nas concorrências, nem com a pré-classificação das propostas. Naquela -- pré-qualificação -- os interessados não apresentam proposta, mas tão somente documentação comprobatória das condições técnicas, econômicas e jurídicas pedidas pelo edital como necessárias à execução do objeto do futuro contrato. Vale dizer, é uma fase preliminar da concorrência, onde se busca uma análise mais detida da qualificação técnica dos interessados, tornando-se instrumento a ser utilizado pela Administração Pública com vistas a perquirir a idoneidade dos interessados em contratar. Nessa fase, por isso mesmo, e diferentemente da própria Concorrência, não há necessidade de apresentação do projeto básico porque o que se busca analisar é a qualificação técnica dos pretendentes eis que já há uma suma do objeto da obra. Na fase de pré-qualificação há uma divisão do procedimento licitatório, com a entrega da documentação de habilitação em momento distinto daquele da entrega das propostas técnicas e/ou comerciais. Como nessa fase só se analisará a capacitação técnico-financeira dos pretendentes, não se vislumbra -- repita-se -- a exigência de apresentação do projeto básico. Já para as fases subseqüentes, este projeto básico é imprescindível, indispensável e obrigatório. José Domingos Fred e Figueiredo ensina: "Nas concorrências precedidas de pré-qualificação há uma cisão do momento de entrega da documentação e das propostas. Numa primeira data são recebidos os envelopes contendo a documentação para a pré-qualificação. Após a análise da mesma, é divulgada a relação das empresas pré-qualificadas. Em um segundo momento, estas empresas são convocadas a apresentarem suas propostas técnicas e/ou comerciais. Em função dessa cisão, serão elaborados dois editais distintos, o primeiro abrangendo apenas a fase de pré-qualificação (inciso VI do art.40) e o outro restrito às propostas técnicas e/ou comerciais (incisos VI, VII, X, XI, XIII, § 2º, etc., do art.40), com eventual confirmação das condições da pré-qualificação" (in Violação do princípio da publicidade nas concorrências precedidas de pré-qualificação, http://jus2.uol.com.br/Doutrina/texto.asp?id=6736). Portanto, sendo apenas edital de pré-qualificação, onde se avaliará a capacitação técnico-financeira dos pretendentes, a apresentação de projeto básico somente se faz obrigatório nas fases subseqüentes. Assim, perdem relevo os demais argumentos suscitados -- típicos questionamentos da fase subseqüente ainda não ocorrida -- razão pela qual, por não vislumbrar a ocorrência do fummus iuris, indefiro o pedido de liminar. Notifique-se a autoridade coatora para apresentar as informações que julgar necessária. Após, ao MP. Int. Porto Velho, 16 de janeiro de 2009.
Juiz Alexandre Miguel

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS