close

ESPAÇO ABERTO: Prefeitura ignora população e população ignora a lei

Confira a coluna na íntegra, por Cícero Moura

DA REDAÇÃO

27 de Junho de 2019 às 08:35

ESPAÇO ABERTO: Prefeitura ignora população e população ignora a lei

FOTO: (Divulgação)

 

PRATICIDADE

 

Moradores da zona Leste da capital, na região do Orgulho do Madeira,  espalharam quebra-molas em boa parte da avenida Rio de Janeiro. O motivo seria o descaso da prefeitura em relação a poeira que atormenta as famílias. Algumas donas de casa afirmam que não conseguem colocar roupa no varal por conta do pó. Garantem que carros e motos cruzam a via em alta velocidade criando uma nuvem de poeira que invade  residência e provoca até alergia em crianças. Os Moradores dizem que já procuraram a prefeitura para solicitar alguma medida paleativa, como caminhão pipa em um período do dia, mas não teriam sido atendidos.

 

CONTRA A LEI

 

A iniciativa dos moradores, embora justificada, é contra a lei. As ondulações transversais, mais conhecidas como quebra-molas, redutores de velocidade ou lombadas, foram proibidas pelo atual Código de Trânsito Brasileiro (CTB), Lei 9.503/97. Diz o Art.94 Parágrafo Único: “É proibida a utilização das ondulações transversais e de sonorizadores como redutores de velocidade, salvo em casos especiais definidos pelo órgão ou entidade competente, nos padrões e critérios estabelecidos pelo CONTRAN.”

 

O QUE É PERMITIDO

 


A  Resolução nº 39/98 do Contran regulamenta as exceções sobre a implantação de quebra-molas, traz regras para sua utilização. Mesmo nas exceções, os quebra-molas têm que obedecer aos padrões e critérios, que estão definidos na Resolução citada acima, para quebra-molas do tipo 1 (nas cidades) e Tipo 2 (nas rodovias).


PERIGO


As lombadas físicas, quebra-molas são um retrocesso. Punem 100 % dos condutores, não somente os infratores. Podem causar acidentes graves, geram danos aos veículos, aumento do consumo e grande acréscimo nas emissões de poluentes no meio ambiente.


OUTRO LADO


O Secretário Municipal de Transporte e Trânsito, Nilton Kisner, informou que qualquer interferência na via pública sem avaliação, projeto e autorização do ente responsável pela administração é algo irregular. No entanto, sobre o caso citado o Secretário diz que em vias não pavimentadas existe uma certa tolerância desde que as lombadas não signifiquem perigo ao trânsito por causa de seu tamanho. Kisner esclarece que a medida se faz necessária por conta da saúde dos moradores.


SERÁ CURIOSO

 

Vai suscitar curiosidade a relação do presidente Jair Bolsonaro com o governo argentino, no caso de o esquerdista Alberto Fernandez (com Cristina Kirchner de vice) vencer a eleição: ele tem um filho drag-queen.

 

FÉRIAS NO CARIBE

 

Enquanto cumpre pena de 4 anos e 6 meses, por crime contra o sistema financeiro, o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) obteve na justiça autorização para passar férias no Caribe.


A  decisão foi do juiz de direito Fernando Luiz de Lacerda Messere, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, Gurgacz foi autorizado a  passear de 17 de julho a 3 de agosto em um hotel resort e cassino em Aruba, ilha que fica próxima à Venezuela.


DECISÃO CASSADA


Logo após a notícia das férias do Senador ser divulgada em vários veículos de comunicação, O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), revogou na noite desta quarta-feira (26) a autorização para o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) viajar de férias para o Caribe avalizada pela Justiça do Distrito Federal.


Relator do caso no STF, Alexandre de Moraes tomou a decisão de suspender a viagem e  determinou ainda que o senador entregue o passaporte em até 24 horas e ordenou que a Justiça do Distrito Federal não analise mais questões sobre o cumprimento da pena de Gurgacz.

 

INOCENTE

 

O Senador garante que não cometeu nenhum crime e que não houve desvio de verba pública, nem nada. Afirma que ainda há um recurso a ser julgado. De acordo com a acusação criminal da Procuradoria-Geral da República, o senador se apropriou de R$ 525 mil de verba de R$ 1,5 milhão liberada pelo Banco da Amazônia para renovação da frota de ônibus de uma empresa de transporte da qual o próprio Gurgacz era gestor. A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal o condenou não por desvio de recursos, mas por desvio de finalidade de recursos provenientes de financiamento concedido por instituição financeira oficial.
 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS