69 99981-5823 | 69 3229-8673

Logo Rondoniaovivo - Notícias, Classificados e Banco de Empregos de Rondônia

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017


Terça-Feira, 14 de Novembro de 2017 às 16:04

69 99353-3037 COMUNICAR ERRO

LISTA SUJA: Justiça responsabiliza Zara por trabalho escravo

A 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo determinou que o trabalho análogo ao escravo registrado na cadeia produtiva da Zara Brasil em 2011 é de fato responsabilidade da marca de roupas, que faz parte do grupo multinacional Inditex. Segundo o desembargador do Trabalho Ricardo Artur Costa Trigueiros, relator do acórdão , "é impossível" aceitar a ideia de que a Zara não sabia o que estava acontecendo nas oficinas de costura, em uma espécie de "cegueira conveniente". A sessão de julgamento foi no dia 8 deste mês.

Desde 2012, a Zara vinha tentando anular os autos de infração de auditores fiscais do Trabalho (Ministério do Trabalho) que registraram trabalho análogo ao escravo em oficinas que costuravam para a marca, em 2011. Para isso, processou a União com uma ação anulatória. O Ministério Público do Trabalho (MPT) em São Paulo, que também participou da força-tarefa em 2011, passou a atuar como fiscal da lei contra a ação da Zara, acompanhando as sessões judiciais e emitindo pareceres.

"A decisão está em conformidade com as deliberações da Organização Internacional do Trabalho (OIT) em matéria de responsabilidade em cadeias produtivas", afirmou o procurador do Trabalho Luiz Carlos Fabre, que acompanha o caso desde o início. "O subproduto do trabalho escravo é a proliferação de bolsões de miséria e mazelas sociais. Nada mais justo que tal degradação sócio-ambiental urbana seja internalizada pela detentora do poder econômico relevante em uma cadeia produtiva, ainda que o trabalho escravo haja sido flagrado em oficinas contratadas por fornecedoras da Zara".

Na sentença, o desembargador afirma que a Zara fez mais do que ignorar deliberadamente o que se passava nas oficinas contratadas por suas tercerizadas, como a Aha Indústria e Comércio: "A cadeia produtiva da Zara empregou a Aha como entreposta, no esforço de evitar seu flagrante envolvimento com mão-de-obra em condições análogas às de escravo", afirmou. A decisão judicial também possibilita que a Zara seja incluída no Cadastro de Empregadores que mantiveram trabalhadores em condições análogas às de escravos, conhecido como "Lista Suja". O acórdão cassou uma tutela antecipada da empresa que impedia a entrada da grife na lista.

Um dos indícios mais fortes da fraude era que a Aha não tinha em suas instalações nenhuma máquina de costura. Era impossível que a Zara não soubesse disso, já que a produção dependeria de máquinas e trabalhadores. Para Ricardo, a Zara pretendia, com a cegueira deliberada, "obter um produto de qualidade barata, através de quarteirização, que obviamente implicava em baixíssimos custos, que somente poderiam ser obtidos de forma ilegal".

O grupo têxtil Inditex, que detém a marca Zara, é uma multinacional com patrimônio de cerca de U$ 25 milhões. Em 2016, o grupo registrou lucro líquido de US$ 3,277 bilhões, alta de 10% com relação a 2015. Em agosto de 2011, uma operação do Ministério do Trabalho flagrou 15 pessoas, incluindo uma adolescente de 14 anos, trabalhando em regime análogo ao de escravidão nas oficinas fornecedoras da Zara situadas em São Paulo. Meses antes, dezenas de trabalhadores, bolivianos em sua maioria, também haviam sido flagrados nas mesmas condições em oficinas na cidade de Americana (SP).


Fonte: Assessoria

Tag's: Rondoniaovivo, Notícia, Justiça, Zara, Trabalho Escravo, Lista Suja.

GOSTOU DA MATÉRIA, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS E FAMILIARES:

69 99353-3037




PUBLICIDADE




Brasil | 20/11/2017 | 17:52
Advogado vai até delegacia para libertar cliente e acaba preso

Rondônia | 20/11/2017 | 17:40
Léo Moraes anuncia apoio para aquisição de veículos

Polícia | 20/11/2017 | 17:28
Tio é preso após ameaçar matar sobrinha a facadas e pauladas

Rondônia | 20/11/2017 | 17:26
Deputado Airton Gurgacz tem matérias aprovadas em Plenário

Distrito de Campo Novo | 20/11/2017 | 17:24
Durante briga, jovem esfaqueia pescoço de padrasto

Blog de Ponta Cabeça | 20/11/2017 | 17:16
Cafeteria oferece espaço gourmet para clientes com animais de estimação

Rondônia | 20/11/2017 | 17:21
Edson Martins entrega certificados de cursos profissionalizantes

Rondônia | 20/11/2017 | 17:18
Jean acompanha Copa Limero de Motocross, em Porto Velho

Colorado do Oeste | 20/11/2017 | 17:15
Família de adolescente aciona polícia após ela fugir para MT

Rondônia | 20/11/2017 | 17:12
Deputado Airton participa de Encontro Estadual do Conselho da Mulher

Esportes | 20/11/2017 | 16:52
ESPORTES: Wanderley Correa

Rondônia | 20/11/2017 | 16:56
Deputado Anderson beneficia Associação com recursos para aquisição de veículo

Rondônia | 20/11/2017 | 16:49
TEMPO: Previsão de chuva para esta terça-feira em RO, segundo Sipam

Rondônia | 20/11/2017 | 16:42
Cleiton Roque garante R$ 150 mil para reforma de escola de Novo Paraíso

Conexão Rondoniaovivo | 20/11/2017 | 16:35
Entrevista com Ailton Lemos, autor de "Revolução 4.0: Sua profissão vai desaparecer"?

Rondônia | 20/11/2017 | 16:23
Black Friday da Rosa Manipulação e Drogaria de 24 a 26 de Novembro

Rondônia | 20/11/2017 | 16:17
Black Friday com condições especiais da Credcasa Imóveis no Residencial Bosques do Madeira

Polícia | 20/11/2017 | 15:48
GRAVE: Mulher sofre fratura exposta na perna em acidente

Rondônia | 20/11/2017 | 15:46
Festa de Confraternização Natalina da ASSEMP será no 02 de dezembro

Política | 20/11/2017 | 15:26
CURTAS DO ANDREOLI - 'Pergunta pro Baú' o suposto superfaturamento em mansão

Rondônia | 20/11/2017 | 15:36
Acadêmica de Pedagogia pede apoio ao Projeto Prêmio Boas Ideias do Governo

Rondônia | 20/11/2017 | 15:26
Prefeitura entrega títulos aos moradores do Pedrinhas

Polícia | 20/11/2017 | 15:15
COMANDO VERMELHO: Membro da facção é preso com 'oração' após roubar moto rastreada