Operário morre na construção da Arena da Amazônia - Rondoniaovivo.com - NOVO TELEFONE: (69) 3229-8673 Operário morre na construção da Arena da Amazônia

Anterior

Diário Oficial RO - 06/02/2014

07/02/2014

Anterior

Próxima

EXPLORAÇÃO SEXUAL - Justiça decreta prisão de prefeito

07/02/2014

Próxima

Rondônia ,

Operário morre na construção da Arena da Amazônia

Sexta-Feira, 07 de Fevereiro de 2014 / 16:14

A Unidade Gestora do Projeto da Copa do Amazonas (UGP Copa) confirmou a morte do operário português Antônio José Pita Martins, de 55 anos. O trabalhador sofreu um acidente na manhã desta sexta-feira enquanto estava desmontando um dos guindastes da cobertura da Arena da Amazônia quando uma peça caiu em sua cabeça, segundo informações de colegas de trabalho que atuavam no local.

A UGP Copa informou que o operário era de uma empresa terceirizada, a Martifer Construções Metalomecânicas SA. Após o acidente, o senhor foi levado, ainda vivo, para o Pronto-Socorro 28 de agosto, e, em seguida, foi transferido para outro Pronto-Socorro, o João Lúcio, na Zona Leste de Manaus.

Segundo informações do secretário de saúde do Estado, Wilson Alecrim, Antônio sofreu escoriações no ombro direito, alterações na respiração e traumatismo craniano. Ele foi sedado, passou por tomografias. Até o momento, a causa da morte ainda não foi divulgada pelo Instituto Médico Legal, que já recolheu o corpo do Pronto-Socorro João Lúcio.

A Martifer divulgou nota em que lamenta a morte de seu funcionário e diz que a "empresa presta toda a assistência à família e apura as causas do acidente". Ainda segundo a nota, o guindaste que estava sendo desmontado pelo operário era de grande porte e estava na área externa da obra desde o dia 11 de janeiro.

Após o acidente, o procurador do Ministério Público Trabalho, Jorsinei Dourado do Nascimento, realizou uma vistoria no local do fato e informou que a cena estava sendo alterada.

“Verificamos que a cena onde ocorreu o acidente estava sendo alterada pela empresa, a exemplo da escada onde o trabalhador estava que foi retirada de local. Além disso, foi jogada areia sobre os vestígios de sangue no chão”, explicou Jorsinei.

Apesar de o operário ser de uma empresa terceirizada, o procurador disse que isso não exclui a responsabilidade da Andrade Gutierrez, empresa responsável pela obra. Jorsinei informou ainda que o MPT aguarda o relatório da Polícia Civil para definir quais serão as medidas judiciais a serem tomadas.

Fonte: Globoesporte

0 Comentários Comentar Notícia

Últimas Notícias

Veja Mais

Publicidades