close

OPERAÇÃO IGREJA - Ministério Público apura crime de ocultação de capitais

OPERAÇÃO IGREJA - Ministério Público apura crime de ocultação de capitais

DA REDAÇÃO

12 de Agosto de 2016 às 10:41

OPERAÇÃO IGREJA - Ministério Público apura crime de ocultação de capitais

FOTO: (Divulgação)

O Ministério Público do Estado de Rondônia, com apoio do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (CAEX/GAECO) e auxílio da Polícia Civil, deflagrou na manhã da terça-feira, 9 de agosto, na cidade de Ariquemes, a Operação Igreja, para confirmar a prática de crime de ocultação de capitais, levado a efeito pelo ex-prefeito de Ariquemes Janatan Roberto da Igreja e outros investigados, dentre os quais, Wanderlei Roberto de Souza, Manoel Sanches e Eliana Maria Pereira.

Janatan foi prefeito de Ariquemes na década de 90 e, em 2002, teve confirmada condenação pela prática de improbidade administrativa por dano ao erário. Embora proprietário de fazendas, residências de alto padrão e no gozo de confortável situação financeira, ao ser instado a devolver recursos provenientes de corrupção ao município, Janatan manteve-se inerte e já tinha providenciado o registro de todo o seu patrimônio em nome de terceiros, os tradicionais “laranjas”.

VEJA TAMBÉM:

MP investiga possível crime praticado pelo DER em Rondônia

Assim, os meios processuais de execução judicial se revelaram insuficientes para garantir a devolução do dinheiro desviado aos cofres públicos. Ao perceber a manobra, o Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio da 3ª Promotoria de Justiça de Ariquemes, iniciou investigação para desarticular o esquema criminoso e identificar a destinação dada ao dinheiro desviado por Janatan.

No decorrer da apuração, confirmou-se que, após a prática de crimes de licitação, Janatan adquiriu diversas fazendas na região do PAD Marechal Dutra, um apartamento de luxo na cidade de Curitiba/PR, além de residências e veículos. Entretanto, nenhum desses bens estava registrado em seu nome.

A operação foi executada e consistiu em busca e apreensão em quatro locais, dentre os quais o escritório de uma imobiliária, além de oitivas de testemunhas e outros investigados, coautores da conduta criminosa.

Deflagrada a operação e após a análise dos documentos obtidos nos locais de busca, antes de oferecer denúncia, o Ministério Público prosseguirá nas investigações, realizando um levantamento completo dos bens e atividades econômicas desempenhadas pelo ex-prefeito e identificando todos os seus comparsas.

*Aos leitores, ler com atenção*

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS