BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DESESPERO: Marinha dos EUA evacua 1.000 militares de porta-aviões nuclear

O anúncio ocorreu pouco depois que o Pentágono recusou o pedido do capitão da embarcação para retirar a tripulação.

Sputniknews

02 de Abril de 2020 às 12:10

Foto: Divulgação

A Marinha norte-americana evacuou 1.000 marinheiros do porta-aviões nuclear USS Theodore Roosevelt, atracado em Guam, após este registrar ao menos uma centena de contágios com o SARS-CoV-2, segundo funcionários da Marinha dos EUA.

 

"Ontem, evacuamos 1.000 [militares] e chegaremos a 2.700 até sexta-feira. Estamos aplicando o teste de forma extensiva", assegurou o chefe de Operações Navais, Michael Gilday.


Por sua vez, o secretário interino da Marinha, Thomas Modly, explicou que não será possível retirar todos os militares da embarcação, da Frota do Pacífico, e que possivelmente ao menos 1.000 permanecerão a bordo para realizar tarefas essenciais, como a operação do reator nuclear, conforme o The Hill.   

 

 

O caso do porta-aviões tem provocado polêmica, depois que uma carta enviada pelo capitão da embarcação, Bret Crozier, foi divulgada ao público, solicitando ações para ajudar a tripulação.

 

"Não estamos em guerra. Os marinheiros não precisam morrer", escreveu.

 

Anteriormente, o Pentágono havia recusado o pedido do capitão para evacuar os marinheiros. O secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, declarou que era cedo demais para realizar uma evacuação, apesar do pedido para colocar a tripulação em quarentena, em terra.    

 

 

De acordo com Modly, até quarta-feira (1º), 93 marinheiros testaram positivo para o coronavírus, dos quais 86 apresentavam sintomas e os restantes eram assintomáticos. Além disso, ele observou que aproximadamente 24% da tripulação havia sido avaliada, com 593 resultados negativos.

 

Até o momento, 5.100 pessoas morreram por coronavírus nos EUA, enquanto o número de casos confirmados de infecção já ultrapassou os 215.000.

 

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS