BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

PROCURA: Governo aposta em aplicativo para identificar e pagar R$ 600 a informais

Por meio do dispositivo, que poderá ser baixado em celulares, trabalhadores que não estão incluídos nos cadastros oficiais poderão se credenciar ao benefício de R$ 600 por mês durante a crise.

Correio Braziliense

04 de Abril de 2020 às 09:11

Foto: Divulgação

Um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro sancionar a Lei nº 13.892/2020, que garante uma renda básica de R$ 600 para trabalhadores informais, mães arrimo de família e dependentes do Bolsa Família.

 

O governo anunciou que vai lançar um aplicativo, na terça-feira que vem, para cadastrar os “invisíveis”. O calendário de pagamentos deve ser divulgado na segunda-feira pela Caixa Econômica Federal. Segundo o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, “muito provavelmente”, os depósitos vão começar antes do feriado da Páscoa.



O auxílio emergencial de R$ 600 por três meses pretende minimizar o impacto da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Para ser pago a quem realmente merece, a dificuldade do governo está em tornar elegíveis as pessoas que fazem parte do grupo que não tem qualquer cadastro em programas do governo, que inclui até 20 milhões de trabalhadores informais, segundo estimativa do Executivo. 



O aplicativo que será disponibilizado na terça-feira, de forma gratuita e em todos os sistemas operacionais, será usado justamente por esse grupo. Quem recebe o Bolsa Família, os Microempreendedores Individuais (MEIs) e os contribuintes individuais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) não vão precisar usar o aplicativo, porque já fazem parte da base de dados do governo federal e receberão o benefício automaticamente.



“Temos os informais que estão dentro do Cadastro Único (CadÚnico), para esses o sistema está preparado. Se a pessoa tiver qualquer registro, o aplicativo vai confirmar que já está na base de dados assim que colocar o CPF”, disse Onyx. Os trabalhadores também poderão fazer o cadastro pelo computador e tirar dúvidas por uma central de atendimento, por telefone.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS