DEPUTADO: Ezequiel Neiva solicita estadualização da estrada de acesso a União Bandeirantes

Com pouco mais de 20 anos, Bandeirantes é uma das localidades que mais se desenvolveu ao longo de duas décadas

ASSESSORIA

27 de Fevereiro de 2020 às 14:45

Foto: Divulgação

Distante cerca de 160 quilômetros de Porto Velho, União Bandeirantes é um dos maiores distritos de Rondônia, com aproximadamente 30 mil habitantes, de acordo com o presidente da associação de moradores, Adriano Canaã.

 

Sua população é, inclusive, maior do que diversas cidades emancipadas político-administrativamente no Estado, a exemplo de Rio Crespo, com pouco mais de três mil moradores; Cujubim (20 mil moradores); Pimenteiras (2,5 mil); Cacaulândia (6,3); Theobroma (12), Vale do Paraíso 8,3; Colorado e Cerejeiras com população estimada em 18 mil habitantes, entre outros municípios.  



Com pouco mais de 20 anos, Bandeirantes é uma das localidades que mais se desenvolveu ao longo de duas décadas. Porém, o desenvolvimento estrutural não seguiu o mesmo ritmo de crescimento imposto pelas mãos dos desbravadores daquele distrito.  A principal estrada de acesso a União Bandeirantes é a Linha 101, com 60 km de extensão. Apesar de ser de responsabilidade do município, a recuperação via depende do apoio do governo estadual, por meio do DER.

 

E foi justamente sonhando em melhorias na Linha 101, até mesmo o asfaltamento, que o presidente da associação de moradores procurou o deputado Ezequiel Neiva, para que o parlamentar interceda junto ao Governo com a indicação de estadualização Linha 101. “O deputado Ezequiel Neiva foi diretor do DER, já autorizou a recuperação da ‘101’ por três anos. Conhece União Bandeirantes e sabe que sem estradas o desenvolvimento é muito mais lento”, disse Adriano Canaã.

 

Ezequiel Neiva disse que já apresentou na Assembleia a solicitação para a estadualização da Linha 101. Afirmou que o documento será entregue ao DER, para análise. Para o deputado, um distrito do tamanho de Bandeirantes merece ter uma estrada em melhores condições. “Lá se produz leite, gado de corte, cacau, café, banana, mandioca entre outros produtos”, acrescentou.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS