BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

CRISE NA SAÚDE: Presidente do CREMERO não descarta ‘intervenção médica’ em hospitais do Estado

De acordo com Yaluzan, o Ministério Público também será acionado pelo CREMERO

Rondoniaovivo - João Paulo Prudêncio

25 de Novembro de 2020 às 15:15

Atualizada em : 25 de Novembro de 2020 às 15:49

Foto: Divulgação

O presidente do CREMERO, Robinson Yaluzan, conversou com a imprensa no final da manhã desta quarta-feira (25) sobre a condição atual das unidades de Saúde geridas pelo Governo do Estado e que desde a última segunda-feira (23) estão sem o devido serviço de coleta de lixo hospitalar por conta do encerramento do contrato com a empresa responsável.
 
De acordo com Yaluzan, o CREMERO tomou conhecimento da situação através da imprensa e logo em seguida promoveu uma fiscalização no Hospital de Base, Cemetron e Cosme e Damião, onde ficou constatada a falta da coleta do lixo. 
 
“Não nos interessa saber de forma alguma a questão contratual entre Sesau e empresa, mas sim o que a Sesau fará para restabelecer esse serviço?”, afirmou Robinson Yaluzan. 
 
De acordo com Yaluzan, o Ministério Público também será acionado pelo CREMERO e caso a situação não se resolva conforme os prazos devidamente estabelecidos, uma interdição médica nas principais unidades de Saúde do Estado não está descartada. 
 
“Faremos ampla divulgação de todos os nossos relatórios e se depois de todos os prazos dados, depois de todas as orientações, e a Sesau não nos informar adequadamente, colocando em risco não somente a população, mas os profissionais, infelizmente nós teremos que pensar na possibilidade de uma intervenção médica”, afirmou Robinson Yaluzan. 
 
Ainda de acordo com o presidente do CREMERO, a interdição médica não é uma medida interessante para o conselho, e caso aconteça, os atendimentos essenciais serão mantidos nos hospitais por conta da pandemia. 
 
Veja vídeo:

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS