ÁGUAS: Centro de distribuição da Toyota é afetado pelas inundações no Rio Grande do Sul

A empresa afirmou que o local está inacessível e não se sabe ao certo qual o estado e a quantidade dos veículos que se encontram no local

ÁGUAS: Centro de distribuição da Toyota é afetado pelas inundações no Rio Grande do Sul

Foto: Reprodução

As enchentes no Rio Grande do Sul continuam assombrando não apenas as comunidades locais, como também as montadoras e seus centros de distribuição da região.
 
Localizado estrategicamente, o centro de distribuição da Toyota na cidade de Guaíba tem um papel importante no processo logístico da montadora, já que serve como porta de entrada para os modelos Hilux e o SUV SW4, ambos produzidos em Zárate, na Argentina. 
 
Além de serem distribuídos no Brasil a partir deste local, os modelos recebem adaptações para o mercado nacional antes de serem encaminhados para vendas nas concessionárias.
 
A Toyota Brasil emitiu uma declaração confirmando o impacto das enchentes no centro de distribuição de Guaíba, mas a área afetada está inacessível e a dimensão dos danos ainda não pode ser determinada. Por isso, não se sabe ao certo qual o estado e a quantidade dos veículos que se encontram no local. 
 
A equipe deste centro logístico conta com 18 funcionários e, segundo a montadora, eles estão recebendo a devida assistência e apoio. Em nota, a Toyota afirmou seu compromisso em colaborar com as ações de recuperação e reconstrução da região afetada pelas enchentes.
 
"A companhia se solidariza com o momento delicado pelo qual passa o Rio Grande do Sul e soma esforços nessa grande mobilização pela segurança, acolhimento e proteção às pessoas que foram atingidas pelos danos causados pelas chuvas. "
por Toyota Brasil
 
Como a produção de automóveis está sendo afetada?
 
Desde a paralisação de fábricas até a impossibilidade de transporte nas estradas, o mercado automobilístico precisou tomar medidas para enfrentar a catástrofe que abala o Rio Grande do Sul. 
 
Em Gravataí, a General Motors precisou manter a paralisação de sua fábrica, onde são produzidos os compactos Chevrolet Onix e Onix Plus. A montadora afirma que o interior da fábrica não foi atingido pelas enchentes, mas seu entorno foi completamente tomado, por isso, está inacessível.
 
A destruição das rodovias no Sul do Brasil impossibilita o transporte de peças e recursos essenciais para a produção de veículos. Como é o caso do nosso país vizinho, Argentina, onde a produção na fábrica da Stellantis precisou ser paralisada dada a dificuldade de transporte das peças importadas do Sul do Brasil. 
 
Além das mortes provocadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul, estima-se que o impacto financeiro para a reconstrução das estradas na região será em torno de R$ 1 bilhão, o que demonstra que o prejuízo total causado será gigantesco.
Direito ao esquecimento
Como você classifica a gestão de Aldo Júlio em Rolim de Moura?
Qual pré-candidato à Prefeitura de Ariquemes tem sua preferência?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS