VAMOS CONVERSAR: Se você fosse convidado participar de um swing, aceitaria? – Por Marcela Bomfim

Nos ambientes dedicados a essas práticas liberais entre casais é possível encontrar pessoas que estão à procura das mesmas experiências

VAMOS CONVERSAR: Se você fosse convidado participar de um swing, aceitaria? – Por Marcela Bomfim

Foto: Ilustrativa

Deixando claro que todo texto aqui descrito é baseado em leituras e estudos especializados no assunto e naquelas conversas em grupos de amigos.
 
Vamos começar?
 
O swing é um tipo de comportamento sexual em que existe a troca de experiências sexuais entre casais. Essas experiências podem envolver tanto a penetração com casais trocados (hard swing), bem como o voyeurismo, exibicionismo, menage à trois, sexo grupal, etc.
 
Ou seja: o swing pode envolver outras tantas práticas sexuais, até mesmo com mais do que duas pessoas envolvidas e nem sempre envolvendo a troca direta entre casais.
 
Algumas vezes a prática do swing pode nem sequer envolver o toque físico. Aliás, essa é uma informação que pode parecer até mesmo nova para quem se depara pela primeira vez com uma explicação sobre o termo.
 
O swing então pode ser uma prática variada, que depende exclusivamente até onde o casal quer chegar e da sua experiência no meio.
 
A primeira coisa é saber o que é swing. Swingers são casais que fazem sexo com outras pessoas. Na maioria dos casos, ambos estão presentes no ato. Em torno dessa prática, existe todo um estilo de vida que vai de clubes específicos a aplicativos para se conectar com pessoas que vivem sua sexualidade dessa forma.
 
Se você deseja abrir seu relacionamento e experimentar o swinging, deve conhecer a raiz de sua motivação. Eles estão cansados de seu relacionamento e procuram reavivar a paixão? Esqueça isso. 
 
Nunca entre em relacionamentos abertos para "curar" ou "acender a centelha". Você deve levantar a situação quando o ambiente é relaxado, unido e equilibrado, caso contrário pode não dar certo.
 
Ver seu parceiro fazendo oral (ou a penetração) em outra pessoa pode ser chocante (ou muito mórbido). Se for a sua primeira vez e você não sabe como vai reagir, use a imaginação. O que você sente quando pensa sobre isso? Você é ciumento? Por quê? 
 
Você pode contar com livros de autoajuda ou conversar com outras pessoas que têm mais experiência em fóruns específicos ou em grupos do Facebook. Não faça nada de que se arrependerá. Sério! Pense muito bem e pense em seus limites com antecedência.
 
Quando estamos cientes de tudo o que existe lá fora, queremos vivenciar muitas coisas, mas lembre-se que no dia seguinte você terá que internalizar e meditar sobre essa experiência. Deixe as regras do jogo claras com seu parceiro. Eles podem fazer sexo juntos ou separados? 
 
Você gostaria de ter uma troca, um trio, uma orgia? Você acha que tem o talento de atores e atrizes pornôs e quer mostrá-lo ao mundo? Como vocês vão dizer um ao outro que tal pessoa lhes agrada, lhes atrai? As regras são o pilar fundamental do swing e devem ser acordadas e respeitadas em todos os momentos.
 
 
Você sabe como funciona uma casa de swing?
 
Imagine uma balada, só que com alguns ambientes a mais. Quase todas as casas têm um espaço com pista de dança, luz negra e bar, onde a paquera pode rolar solta. O diferencial está realmente nos espaços depois da balada. 
 
Corredores escuros para a pegação, cama extra grande para usos óbvios e até mesmo espaços temáticos como um ônibus! Há também algumas salas/aquários para os casais que decidirem se exibir.
Não é raro as casas organizarem festas temáticas ou atrações para apimentar o desejo sexual de cada um. Então prepare-se para poder experimentar, por exemplo, pole dance, ou curtir shows de gogo boys e strippers. 
 
Há também os resorts eróticos, mas esses já são mais indicados para quem já é frequentador das casas. Em muitos deles, rolam os chamados jogos eróticos.
Esse talvez seja o ponto mais importante a se prestar atenção antes de sair de casa. Ninguém gosta de ter sua intimidade espalhada por aí. 
 
Então celulares são estritamente proibidos, ok? A dica é desligar do aparato tecnológico que tanto toma o tempo e curtir a noite. Foque naquilo que você e seu par estão vivendo juntos!
 
 
Riscos de praticar swing
 
A gente precisa observar se todo mundo está a vontade, por que muitas vezes a ideia é ótima, mas aí quando a gente executa a ideia não é muito bom. O que eu quero dizer com isso?
 
Eu imagino que vai ser o máximo ver a minha parceria com outra pessoa, mas quando a realidade chega, como será que eu vou me sentir?
 
Muitos casais até acabam tendo problemas na sua relação depois de uma experiência de swing, porque se sentem inseguros, começam a ter ciúmes, coisa que não sentiam antes, porque têm medo do abandono, porque começam a criar preocupações que antes de inserir esta prática na vida do casal não existiam.
 
Então é por isso que é necessário muita conversa, muita comunicação. E assim, lembre-se que isso é uma experiência, e que vocês dois optaram pela experiência.
 
Não vale depois ficar jogando na cara da outra parceria que ela queria e que a relação dela acabou com o relacionamento.
 
Tudo é pensado em conjunto no swing, não esqueça disso!
 
Se você tem curiosidades em saber mais sobre o assunto, nos envie sua pergunta que com ajuda de um profissional lhe responderemos. 
 
Pode encaminhar para o WhatsApp (69) 99981-5823 ou para o e-mail marcelabomfim31@gmail.com.
 
Até a próxima!!
Direito ao esquecimento
Como você classifica o mandato do prefeito Moisés Cavalheiro em Itapuã do Oeste?
Como resolver o problema dos animais de rua?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS