INSENSIBILIDADE: Azul é condenada por falta de respeito com pessoa idosa e criança autista em RO

Após direitos violados, advogado reforça que não se trata de “mero aborrecimento” diante de ilegalidades

INSENSIBILIDADE: Azul é condenada por falta de respeito com pessoa idosa e criança autista em RO

Foto: Alexandre Barros

A Azul Linhas Aéreas recentemente foi condenada pela Justiça de Rondônia por desrespeitar os direitos de um idoso com deficiência e uma criança autista durante uma viagem com escala em Porto Velho.

 

Segundo os documentos do processo, os passageiros foram pegos de surpresa com a notícia de que seriam transferidos para Brasília durante a conexão.

 

Essa alteração não planejada resultou em mais desconforto devido a um novo voo e em perda de tempo valioso para os passageiros.

 

Além disso, mesmo tendo reservado assentos preferenciais, os passageiros foram acomodados em assentos regulares no fundo da aeronave, sem receberem o embarque especial solicitado.

 

Em um dos aeroportos, apesar das limitações previamente comunicadas à companhia aérea, os passageiros tiveram que caminhar por mais de 20 minutos, inclusive carregando a criança autista.

 

A situação se complicou quando os passageiros não receberam refeições adequadas durante o voo, que durou das 12h às 22h30, excedendo o horário previsto de chegada em cerca de cinco horas.

 

Além disso, ao chegarem ao destino final, as bagagens dos passageiros estavam danificadas, tornando-as inutilizáveis.

 

A companhia foi condenada a pagar uma compensação de R$ 8.000,00 aos passageiros, conforme decisão da juíza Juliana Paula Silva da Costa Brandão, da 5ª Vara Cível de Porto Velho.

 

A magistrada destacou a seriedade do caso, considerando não apenas uma violação dos direitos do consumidor, mas várias violações, especialmente levando em conta as circunstâncias especiais da criança e do idoso envolvidos.

 

Apesar das preocupações levantadas, a companhia aérea se recusou a fazer qualquer proposta de acordo, argumentando que se tratava apenas de um “mero aborrecimento”.

 

O advogado das partes, Vinicius Valentin Raduan Miguel, afirmou que a violação dos direitos humanos não deve ser minimizada como um “mero aborrecimento” e ressaltou a importância de as empresas seguirem as normas de acessibilidade e inclusão.

 

Vinicius Miguel, advogado do caso, já esteve envolvido em outras situações similares, incluindo o caso de um adulto autista que foi impedido de embarcar.

 

Apesar de ter sido solicitado um comentário sobre a "crise aérea" em Rondônia, o advogado optou por não se pronunciar sobre outros casos, enfatizando a necessidade de as empresas respeitarem as normas de acessibilidade e inclusão.

 

*Com informações do Rondônia Dinâmica.

Direito ao esquecimento
Qual pre-candidato a prefeitura de Porto Velho tem sua preferencia?
Como você classifica a gestão de João Levi em Nova União?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS