NESTE SÁBADO (04): Santo Antônio Energia inaugura Museu da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré

Espaço dedicado à memória da chamada "Ferrovia do Diabo" tem exposição de mais de 300 itens que contam a história da estrada de ferro construída no início do século XX

NESTE SÁBADO (04): Santo Antônio Energia inaugura Museu da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré

Foto: Assessoria

A capital de Rondônia recebe no próximo sábado (4) um novo aparelho cultural para moradores e turistas da região. Em uma parceria da Santo Antônio Energia, empresa controlada por Eletrobras, em conjunto com a Prefeitura de Porto Velho e o Complexo da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, será inaugurado um novo museu em uma área de 500 metros quadrados às margens do Rio Madeira e com mais de 300 objetos. O objetivo é resgatar e preservar a memória da ferrovia construída no início do século XX e o ciclo da borracha na região amazônica. A estrada de ferro ficou historicamente conhecida como "Ferrovia do Diabo", devido aos desafios de sua implantação.
 
O espaço, instalado em dois galpões totalmente renovados, proporciona uma experiência interativa, dinâmica e acessível por meio de atividades educativas e exposições permanentes e temporárias. O Museu é parte de um investimento maior na revitalização do Complexo da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, que inclui ainda um espaço para eventos, um mezanino com vista para o rio, além de área externa que receberá serviços para a população, como restaurantes e um estacionamento.
 
"O desenvolvimento sustentável dos locais onde estão os ativos da Eletrobras, como no caso da Hidrelétrica Santo Antônio, é uma das estratégias ESG da empresa. Acreditamos que o Museu irá reunir tradição e modernidade em um espaço de memórias que trará valor turístico, econômico e social para Rondônia", enfatizou o presidente da Santo Antônio Energia, Caio Pompeu de Souza Neto.
 
O investimento total no Complexo foi de R$ 30 milhões, incluindo o museu, e a área de 115 mil metros quadrados recebeu intervenções em vários espaço públicos. O empreendimento é resultado de uma parceria público-privada com a Prefeitura de Porto Velho, e passa a ser o maior equipamento turístico de Rondônia.
 
"O museu é uma oportunidade de contemplar as façanhas e desafios enfrentados por aqueles que chegaram aqui antes de nós. E essa revitalização do Complexo serve como guardião do nosso patrimônio cultural, preservando memórias que continuarão a inspirar e educar as gerações futuras", reforçou Hildon Chaves, prefeito de Porto Velho.
 
 
Curadoria e Estações Temáticas
 
A curadoria do acervo para o Museu contou com o trabalho de pesquisadores, produtores, executores, técnicos e estudantes da comunidade acadêmica de Porto Velho, para seleção, identificação e tratamento de itens históricos. Dessa forma, foi possível criar uma narrativa que se inicia nos primeiros exploradores, passa pela consolidação da estrada de ferro e viaja até os dias atuais.
 
A exposição é dividida em quatro estações temáticas, nas quais a história é contada por assuntos que se complementam e ajudam a explicar a passagem do tempo. Estão expostos mais de 300 objetos, entre os quais 200 reproduções fotográficas, 25 metros quadrados de maquetes, vídeos, elementos interativos e 33 réplicas para acessibilidade de pessoas com deficiência visual. Além disso, toda área expositora tem o apoio de áudio descrição, fotografia em alto relevo, tradução em libras e leituras em braile.
 
Entre os destaques da mostra estão conteúdos sobre o meio ambiente que explicam os desafios para construção da ferrovia em meio à selva amazônica e a história dos povos originários, ribeirinhos e seringueiros, suas lutas e resistência, hábitos e produção cultural. Também estará exposta a primeira locomotiva que cruzou a estrada de ferro, chamada Coronel Church, que foi restaurada para a exposição.
 
O público poderá passear ainda por painéis, recortes e mapas da cidade, monumentos e marcos históricos, além de conferir objetos da estrada de ferro encontrados nos estudos arqueológicos feitos na região, como garrafas de mais de cem anos de existência, peças de medição, ferramentas de manutenção e um tacho de borracha original dos anos 1940 em perfeito estado de conservação.
Direito ao esquecimento
Qual pré-candidato à Prefeitura de Machadinho do Oeste tem sua preferência?
Como você avalia a gestão do prefeito Jurandir de Oliveira em Santa Luzia do Oeste?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS