Boa avaliação credencia Hildon a disputar sucessão em RO - Por Valdemir Caldas

Embalado por uma pesquisa do Instituto Phoenix, que assegura uma avaliação positiva do seu governo acima de setenta por cento, o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, aparece nas conversas de bastidores como forte candidato à sucessão do governado de Rondônia em 2022.
 
 
Essa provavelmente seja a maior avaliação do tucano desde que ele chegou ao palácio Tancredo Neves.
 
 
Ainda de acordo com os mesmos observadores, o sucesso da empreitada, porém, estaria vinculado a escolha do vice. 
 
 
Na hipótese de Hildon resolver entrar na briga pelo comando do Estado, convém pensar com muito cuidado sobre o assunto. Esse negócio de aceitar companheiro de chapa por mero capricho ou devaneio de cúpula partidária não é conduta ajuizada.
 
 
Apesar de respeitar os que consideram o candidato a vice uma figura decorativa, insinuando que sua indicação em nada contribui na decisão do eleitor, discordo, e por vários motivos, entre eles: 1) - um vice ficha limpa, com predicados de idealismo, transmite credibilidade a chapa e segurança ao eleitor; 2) - deixa o titular menos suscetível aos ataques da artilharia inimiga durante a campanha eleitoral; 3) - ajuda o titular na condução dos negócios públicos, conversando com a sociedade e somando forças com o governante.
 
 
É só observar a conduta serena e equilibrada do vice-prefeito Mauricio Carvalho; e 4) – pode parecer redundante, mas não custa salientar que, na ausência do titular, quem assume é o vice. 
 
 
Até as convenções partidárias, muito água correrá debaixo da ponte. Quem fala em disputar o governo, hoje, amanhã poderá mudar de ideia, resolver concorrer ao Senado, à Câmara dos Deputados, ou vice versa.
 
 
Certo mesmo é que, enquanto caem os índices de avaliação negativa do governo Hildon, sobem os números que auferem a popularidade do tucano, cuja aprovação supera os setenta por cento, segundo o Instituto Phoenix, índice esse capaz de deixar muitos políticos morrendo de inveja.
 
 
Que o prefeito aproveite o momento mais que propicio para levar à prática obras e serviços de que tanto a população precisa – alguns inadiáveis.
Direito ao esquecimento

Você concorda que quem não se vacinou deveria pagar mais impostos?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS