COOPPROJIRAU: Cooperativa em Nova Mutum Paraná contribui com meio ambiente e sustentabilidade

Entidade atua em várias frentes como produção de alimentos, coleta e produção de sementes e mudas em viveiros

COOPPROJIRAU: Cooperativa em Nova Mutum Paraná contribui com meio ambiente e sustentabilidade

Foto: Cooperados atuam em diversas frentes na cooperativa em Nova Mutum Paraná - Divulgação/Coopprojirau

Muita gente não sabe, mas a região entre os distritos de Jacy-Paraná e Nova Mutum Paraná revela uma entidade que atua em diversas frentes, mas com base na preservação do meio ambiente e sustentabilidade.

 

A Cooperativa de Produtores Rurais do Observatório Ambiental Jirau (COOPPROJIRAU) foi estabelecida em setembro de 2010, com o propósito de desenvolver iniciativas que promovam a geração de renda para seus membros.

 

Isso é feito ao custear insumos e serviços necessários, os quais são posteriormente compensados. Além disso, a cooperativa oferece treinamentos, assistência técnica e apoio na organização da produção agropecuária visando sua comercialização.

 

De acordo com a instituição, sua meta é contribuir para o desenvolvimento sustentável das comunidades que estão dentro da área de influência da Usina Hidrelétrica Jirau. Desde 2012, a COOPPROJIRAU fortaleceu essa parceria ao prestar serviços para a Energia Sustentável do Brasil (ESBR), a concessionária responsável pela Usina Hidrelétrica Jirau.

 

 

Esses serviços incluem a produção de mudas florestais, a revegetação de áreas de preservação permanente do reservatório da Usina, a recuperação de áreas degradadas e a manutenção de áreas previamente implantadas.

 

Todo esse trabalho é realizado com a participação total dos cooperados, o que não apenas gera renda para eles, mas também demonstra um compromisso com a preservação ambiental.

 

Conforme destacado pelo gerente-executivo da COOPPROJIRAU, Diego Solidera, o planejamento para a produção de mudas é iniciado anualmente após a assinatura do contrato com a ESBR.

 

“A cooperativa convoca uma assembleia para definir os cooperados interessados em participar da produção, o quantitativo de mudas que deve ser produzido e as espécies prioritárias, onde busca-se obter a maior diversidade possível. E então, cada produtor realiza a coleta de sementes nos fragmentos florestais da região, a construção dos viveiros de mudas em sua unidade de produção familiar e inicia o processo com acompanhamento da equipe técnica da Cooperativa, que realiza visitas mensais em cada propriedade”, explica ele.

 

Sandra Vicentini é atual presidente da Coopprojirau - Foto: Divulgação/Coopprojirau

 

Aproximadamente 50 cooperados estão envolvidos na execução do contrato atual para produção de mudas, juntamente com a operação do viveiro na Unidade Demonstrativa de Manejo Ambiental, que também inclui a participação de jovens monitores locais.

 

Estatísticas

 

Existe uma rede colaborativa que reúne membros da Cooperativa de Produtores Rurais do Observatório Ambiental Jirau (Coopprojirau). Ela atua desde 2010 na coleta sementes e produção de mudas nativas florestais.

 

O viveiro, criado em 2022, conta com cerca de 40 mil mudas de espécies florestais amazônicas. Ela também oferece uma série de serviços ligados à restauração ecológica.

 

A cooperativa já produziu mais de 510 mil mudas nativas de 110 espécies e forneceu pelo menos 4,2 toneladas de sementes florestais nativas, utilizadas na recuperação de cerca de 930 hectares no entorno da Usina Hidrelétrica de Jirau, por encomenda da Jirau Energia, do grupo Engie.

 

Coopprojirau participa de diversos eventos, feiras e exposições, onde mostram o trabalho desenvolvido há quase 15 anos - Foto: Divulgação/Coopprojirau

 

A Coopprojirau é integrante do Redário, articulação de redes e grupos de coletores de sementes nativas para restauração ecológica.

 

Sandra Vicentini, presidente da Coopprojirau, destaca que a experiência em reflorestamento e recuperação de áreas degradadas aumentou a credibilidade da cooperativa, o que possibilitou a expansão de seus negócios.

 

“A ampliação principal do negócio da cooperativa veio com a instalação das duas agroindústrias, que tem trago muitos benefícios para a região. Um dos nossos maiores desafios foi ampliar o seu leque de atuação nesses dez anos e conseguimos nos consolidar, já estamos nos trâmites finais para regulamentação de novos produtos além da farinha e do açaí, estamos trabalhando no licenciamento da mandioca in natura, goma de tapioca e do tucupi. Logo teremos mais produtos para oferecer ao mercado de Porto Velho e de toda a região”, destaca Sandra.

 

Cooperados atuam na colheita de sementes para serem comercializadas ou na produção de mudas - Foto: Divulgação/Coopprojirau

 

Estrutura

 

A COOPPROJIRAU possui mais de 130 cooperados e tem sua sede estabelecida em Nova Mutum Paraná, na Rua Nossa Senhora de Nazaré, número 14. No entanto, sua história teve início com 27 cooperados fundadores, todos residentes de Jaci Paraná, Nova Mutum Paraná e das localidades dos Ramais 31 de Março, Brito, Caldeirão, Cical e Arrependido.

 

Esse grupo ratificou o estatuto da COOPPROJIRAU em 25 de setembro de 2010 após uma série de discussões e com o respaldo da equipe técnica do Observatório Ambiental Jirau.

 

Tanto o Observatório quanto a Cooperativa surgiram como resultados do Programa de Educação Ambiental, conduzido pela Energia Sustentável do Brasil na região de influência da Usina Hidrelétrica Jirau.

 

Mudas são utilizadas também no reflorestamento de áreas da região - Foto: Divulgação/Cooprojirau

 

Mais serviços

 

Além das ações de reflorestamento, a COOPPROJIRAU desenvolve projetos de geração de renda, capacitações e assistência técnica, além da organização da produção agropecuária para comercialização.

 

Tudo com objetivo de contribuir para o desenvolvimento sustentável das comunidades localizadas na área de influência da UHE Jirau.

 

Consultoria Ambiental: A consultoria ambiental se concentra em promover práticas de Educação Ambiental e fortalecer o Capital Social. Desde 2019, há estreita colaboração com o Programa de Educação Ambiental (PEA), resultando em mais de 2.000 atendimentos por ano.

 

As atividades incluem apoio administrativo, educação comunitária, diálogo, engajamento, gestão de impactos nas comunidades, empoderamento e projetos de desenvolvimento humano.

 

Açaí produzido na Coopprojirau é um dos carros-chefes da cooperativa - Foto: Divulgação/Coopprojirau

 

Assistência Técnica Rural - ATER: A cooperativa oferece assistência técnica desde o início de nossas operações, com o propósito de orientar cooperados e agricultores familiares na área de atuação.

 

O foco é difundir técnicas agrícolas, acompanhar o plantio e as safras, e incentivar a maximização dos resultados financeiros na agricultura familiar.

 

Agroindústria de Polpas de Frutas: A Agroindústria de Polpas de Frutas da COOPPROJIRAU concentra-se principalmente na produção de polpa de açaí, desenvolvida em parceria com o Subprograma de Fomento à Tecnologia de Extração de Produtos Naturais da UHE Jirau.

 

Inaugurada em outubro de 2019, já processou mais de 120 toneladas de polpa de açaí de qualidade média e popular.

 

Reflorestamento na Amazônia: O reflorestamento na Amazônia acontece por meio de programas de restauração de Áreas de Preservação Permanente (APP), Planos de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) e Sistemas Agroflorestais (SAFs).

 

Segundo a Coopprojirau, há uso de técnicas avançadas de plantio em conformidade com a legislação ambiental desde 2010. Esses programas envolvem cooperados e moradores locais, com mudas e sementes coletadas e plantadas pela agricultura familiar.

 

Valor agregado

 

Outros destaques da Coopprojirau são os produtos da sua agroindústria que atendem toda a região dos distritos e Porto Velho:

 

Açaí - Tipo: Clarificado

Capacidade produtiva: cerca de 3.000 kg/dia.

Tipos de açaí produzidos: Popular, Médio e Especial

Mercado alvo: atacado - para utilização da polpa para comercialização em casas de açaí, produção de sorvete de açaí, sorbet, creme, mousses, indústrias de panificação e alimentação em geral.

 

Farinha de mandioca

Capacidade produtiva: 1.000 kg/dia.

Tipos de farinha produzidas: seca, mista e d’água

Mercado alvo: atacado - utilização na alimentação do consumidor brasileiro como complemento alimentar, comercialização em supermercados, restaurantes, indústrias de panificação e alimentação em geral.

 

 

Tucupi

Capacidade produtiva: 500 litros/dia.

Tipos produzidos: Molho de Tucupi, pasta e tucupi com pimenta

Mercado alvo: atacado - utilização na alimentação regional amazônica para intensificar o sabor afrodisíaco de caldos, molho de pimenta e alimentação em geral. comercializado em supermercados e feiras regionais.

 

Macaxeira congelada

Capacidade produtiva: 500 kg/dia.

Tipos de macaxeira congelada produzidas: à vácuo, para residências (embalagem 1 kg) e para restaurantes/bares e lanchonetes (embalagem 3kg);

Mercado alvo: atacado - indicação: utilizada como complemento para churrasco, refeições e petiscos, cozida ou frita, também utilizada em caldos e complementos alimentares e indústria alimentícia em geral.

 

Goma de Tapioca

Capacidade produtiva: 500 kg/dia.

Tipos: goma de tapioca hidratada, goma para residências (embalagem 500g, 1 kg) e para restaurantes/ bares e lanchonetes (Embalagem 3kg, 5kg, 10kg);

Mercado alvo: atacado - utilização da goma para utilização em casas de açaí, bares lanchonetes, restaurantes hotéis, indústrias de panificação e alimentação em geral. pode ser comercializada em supermercados e feiras regionais.

Direito ao esquecimento
Como você classifica a gestão de Aldo Júlio em Rolim de Moura?
Qual pré-candidato à Prefeitura de Ariquemes tem sua preferência?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS