VÍTIMA DORMIA: Polícia procura rondoniense acusada de matar namorado no ES

“Com o passar dos dias ela mostrou o seu lado perverso”, diz irmã da vítima

VÍTIMA DORMIA: Polícia procura rondoniense acusada de matar namorado no ES

Foto: Divulgação (Foto da vítima)

Moradora de Jaboticabal, cidade do interior de São Paulo, a faxineira Maria Mendes de Menezes, de 38 anos, ligou para a redação do FOLHA DO SUL ON LINE na tarde de ontem e pediu ajuda para encontrar uma moradora de Rondônia que, no final do ano passado, teria assassinado o irmão dela a facadas.
 
A denunciante apresentou a reportagem de um jornal paraense que traz detalhes do crime, que aconteceu em Cariacica, cidade da região metropolitana da Grande Vitória (ES). Desde então, a principal suspeita de matar o técnico em telecomunicações Carlos Mendes de Menezes, não foi mais encontrada na cidade capixaba.
 
A mulher apontada como a possível autora do homicídio de Carlos, que tinha 34 anos e era natural da Bahia, mas se mudou ainda na adolescência para São Domingos do Araguaia, no Pará, é a rondoniense Franciely Pereira da Silva (IMAGENS SECUNDÁRIAS), de 23 anos, nascida em Porto Velho, onde o casal se conheceu e começou a namorar. A suspeita teve sua prisão decretada pela justiça do Espírito Santo.
 
De acordo com Maria Mendes de Menezes, irmã da vítima e ouvida por este site, Carlos saiu de São Domingos havia pouco mais de nove meses e foi para Porto Velho, à procura de emprego. “Lá, ele conheceu essa moça. No começo, pra ele, até estava bem, mas com o passar dos dias ela mostrou o seu lado perverso. Ela tinha ciúmes de tudo, meu irmão não podia falar com ninguém”, relatou.
 
Ainda segundo a irmã, o relacionamento entre os dois estava muito conturbado e uma ida de Franciely a uma casa noturna teria sido a “gota d’água” para que o homem pedisse separação. “Ele precisou ir embora pra o Espírito Santo, onde mora um irmão nosso, para se livrar dela”.
 
Mesmo assim, diz, Franciely não deixava o homem sossegado e vivia fazendo juras de amor, prometendo mudar. Carlos então resolveu dar outra chance ao relacionamento e ela se mudou para onde ele estava, na casa do irmão, na Grande Vitória.
 
Num sábado pela manhã, este irmão saiu para o trabalho e estranhou Carlos não ter acordado para irem juntos, mas também achou que ele quisesse ficar dormindo. Os dois trabalhavam juntos na mesma empresa de telefonia, instalando internet. No fim do dia, ao chegar em casa, foi ao quarto, que ainda estava com a porta trancada, para ver se o irmão estava em casa.
 
Ao conseguir abrir o cômodo, viu que o irmão tinha sido morto com pelo menos quatro golpes de faca enquanto dormia, e que Franciely havia fugido sem deixar rastros. O corpo de Carlos Mendes foi transladado para a cidade paraense para ser velado na casa dos pais, que continuam morando lá.
 
 
QUER JUSTIÇA
 
Temendo que o assassinato do irmão, brutal e cometido por motivo fútil, fique impune, Maria enviou as informações e fotos da suspeita, que teria retornado para Rondônia, onde moram seus pais, após cometer a atrocidade, e pediu ajuda para que ela seja localizada e presa. Ela foi orientada por um jornalista de Mato Grosso, para onde ligou primeiro, a procurar o FOLHA DO SUL ON LINE. Quem tiver informações sobre o paradeiro da acusada deve ligar para o número 190 da Polícia Militar em qualquer cidade do Estado.
Direito ao esquecimento
Como você classifica a gestão de Aldo Júlio em Rolim de Moura?
Qual pré-candidato à Prefeitura deAriquemes tem sua preferência?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS