BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

PROTOCOLADA: Léo Moraes apresenta denúncias coletadas no JP II para o MP/RO e CREMERO

Para Léo Moraes a falta de recurso não foi um problema

Assessoria

11 de Agosto de 2020 às 15:22

Atualizada em : 11 de Agosto de 2020 às 15:32

Foto: Divulgação

Nesta terça-feira (11) o deputado federal Léo Moraes (PODEMOS) protocolou no Ministério Público do Estado de Rondônia – MP/RO e Conselho Regional de Medicina – CREMERO, as denuncias coletadas durante fiscalização promovida no Pronto Socorro João Paulo II, em Porto Velho (RO).

 

Léo Moraes apresentou imagens e relatos de cidadãos que recebiam atendimento no local, muitos deles pelo chão em um cenário que se repete ano após ano, trazendo sofrimento e prejuízos à população e profissionais de saúde.

 

Atualmente no Congresso Nacional, Léo Moraes segue uma linha de atuação constante desde o seu primeiro mandato legislativo como vereador de Porto Velho, exercendo o direito de vigilância nos serviços públicos e apresentando soluções e ideias de melhorias.

 

“Sabemos que o descaso no João Paulo II não é de hoje. Porém, nosso trabalho continua na mesma linha de outros mandatos, sempre usando a prerrogativa de cobrar, fiscalizar e denunciar”, afirmou Léo Moraes.

 

Dinheiro não falta

 

Para Léo Moraes a falta de recurso não foi um problema para a melhoria no sistema de saúde de Rondônia, já que só o Governo Federal e o Congresso juntos enviaram para o Executivo Estadual mais de R$ 130 milhões para ações nesse setor durante a pandemia.

 

“Muitos falam: "Faz alguma coisa ao invés de reclamar". Já fizemos! Destinei mais de R$ 4 milhões pra saúde. Nossa bancada destinou mais de R$ 30 milhões. O governo federal já destinou mais de R$ 100 milhões. Tudo isso apenas em 2020. Será que falta dinheiro ou responsabilidade no uso?”, questionou Léo Moraes.

 

Agora cabe aos órgãos acionados por Léo Moraes darem continuidade às denuncias e promoveram as medidas necessárias para que situações como as relatadas no João Paulo II possam enfim se tornar coisa do passado.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS