WORKSHOP: Combate ao assédio e discriminação no ambiente de trabalho é debatido em evento

Encontro reuniu mais de 200 servidores e tratou sobre prevenção, combate e acolhimento frente a tais condutas

WORKSHOP: Combate ao assédio e discriminação no ambiente de trabalho é debatido em evento

Foto: Assessoria

Em busca de conscientizar os profissionais da saúde e orientar sobre as diferentes formas de condutas abusivas, a Prefeitura de Porto Velho, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), realizou, na quinta-feira (30), o 1º Workshop sobre Assédio Moral, Sexual e Discriminação no Ambiente de Trabalho.
 
O evento aconteceu no auditório do Ministério Público do Trabalho (MPT) e reuniu mais de 200 servidores de diversas áreas, desde o setor administrativo até as redes de atuação, como atenção básica, média e alta complexidade das zonas urbana e rural de Porto Velho.
 
A iniciativa faz parte de uma série de medidas executadas pela Semusa, que foram intensificadas ao longo do ano. A disseminação da temática busca instruir, prevenir, acolher, combater a discriminação e os assédios no ambiente de trabalho, mas também responsabilizar aqueles que, porventura, venham praticar atos destas naturezas.
 
O conteúdo das palestras buscou orientar os presentes sobre como procurar ajuda em situações de assédio e discriminação, bem como auxiliar as pessoas a identificar essas violações e denunciar através dos canais da ouvidoria, inclusive de forma anônima.
 
Para a secretária-adjunta da Semusa, Marilene Penati, a ação é mais uma atividade que visa promover um ambiente de trabalho mais seguro, leve e respeitoso. “Nosso objetivo é ampliar as estratégias de combate a todos os tipos de assédio e discriminação, principalmente no ambiente de trabalho, afinal passamos grande parte do nosso dia inseridos neste local, juntamente de nossos colegas de profissão. A Semusa tem tido um olhar especial sobre esse tema, realizando ações estratégicas com objetivo de desmistificar condutas de discriminação e qualquer tipo de assédio”.
 
A procuradora do Ministério Público do Trabalho (MPT), Camila Holanda, destaca a importância de realizar eventos abordando temáticas de assédios e discriminação, com foco na prevenção e fortalecimento dos canais de denúncias.
 
“Promover um workshop como este é necessário para que as pessoas possam realizar as autocríticas, perceber os sinais e, quando necessário, levar isso a conhecimento para que sejam solucionados. Muitas vezes, os profissionais não conseguem identificar e não sabem se estão sendo vítimas. A principal importância de abordar esses conceitos, especialmente na rede de saúde, que é um serviço que exige um cuidado e empatia maior, é conscientizar os servidores, a fim de gerar a prevenção”, afirma a procuradora.
 
Para Leusiane Alves da Silva, enfermeira da unidade de saúde Caladinho, “a temática é muito importante para nos orientar, abrir nossos olhos e saber quando algo estiver errado. Durante a palestra consegui identificar algumas coisas que eu nem sabia que podia ser considerado assédio, então esse tema foi muito necessário”, relata Leusiane.
 
Os temas abordados durante o evento foram: como identificar assédio moral, sexual e discriminação no ambiente de trabalho; como evitar esse tipo de ocorrência nas instituições; como utilizar a cultura da paz no ambiente de trabalho; e mediação de conflitos no ambiente de trabalho.
 
A enfermeira, Mara Corrêa, atua na Unidade de Saúde da Família (USF) Extrema e se deslocou cerca de 330 quilômetros para participar do evento, por entender ser um assunto necessário, de muito aprendizado.
 
“Eu estou muito feliz de ter vindo ao evento, porque tivemos a oportunidade de aprender sobre essas práticas e como denunciar. Então, hoje eu saio daqui com mais conhecimento, isso é muito positivo”, destacou Mara Corrêa.
 
 
OUVIDORIA
 
A Semusa reforçou e ampliou seus canais de denúncias através da Ouvidoria, um instrumento vital para receber, além de denúncias, sugestões, reclamações e elogios, de forma identificada ou anônima.
 
O contato pode ser feito presencialmente, pelo telefone, através do whatsapp, e-mail ou diretamente na plataforma, preenchendo algumas informações sobre o caso.
 
Direito ao esquecimento
Como resolver o problema dos animais de rua?
Como você classifica a gestão do prefeito João Gonçalves Jr. em Jaru?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS